Google+ Followers

Google+ Followers

segunda-feira, 31 de março de 2014

Eclipse Lunar , Lua cheia em Carneiro do dia 15 de Abril de 2014 e Grande Cruz Cardinal

eclipse lunar totalEsta imagem mostra o mapa mundial com duas regiões: a região sombreada, onde você não pode ver o eclipse lunar, e na região em branco, onde pode ser visto. Os detalhes da imagem do tipo de eclipse, a magnitude da penumbra e umbra, série Saros a que este eclipse Pertence.

Um  Eclipse Lunar é um fenómeno celeste que ocorre quando a Lua penetra, totalmente ou parcialmente no cone da sombra projectado pela terra, em geral sendo visível a olho nu. Isto ocorre sempre que o Sol, a terra e a Lua se encontrem em perfeito alinhamento, estando a terra no meio. No Eclipse Lunar é a terra que encobre a Lua. Por esse motivo só pode ocorrer na fase da Lua Cheia.




Eclipse lunar de 15 de Abril de 2014, Lua Cheia de Abril onde também se comemora o Festival da Páscoa, que coincide com o recente inicio do ano Novo Astrológico.
O eclipse lunar de 15 de Abril de 2014 será um eclipse total, o primeiro do ano. Será visível no leste da Austrália, no Pacífico e nas Américas. É o eclipse número 56 na série Saros.


Estes dados Astronómicos têm um significado profundo e muito forte porque coincidem com a Grande Cruz Cardinal que atinge o seu ponto máximo no grau 13 no dia 23 de Abril de 2014. È a Lua Cheia de Carneiro, neste caso a lua a terra ao encobrir a Lua, faz mexer com a memória da Humanidade nos aspectos bem marcantes do eixos das relações humanas, dos casamentos, dos contratos, das iniciativas, onde a cura se dá pela via do amor e da união entre as pessoas, as grandes tensões são apenas sinais para que se comece a cumprir o que está destinado a fim de dar continuidade ao projecto de evolução, já há muito previsto pelas energias que nos regem.



"Esta Coincidência" de se manifestar um eclipse desta natureza no eixo Carneiro- Balança, formando-se uma grande Cruz nos signos Cardinais, que impedem á acção a tomar iniciativas, a rever e ver, o que andamos a fazer na sociedade e como nos podemos renovar e participar activamente, (Plutão em Capricórnio), e o que entendemos por Justiça e a fé que nos move, rompendo com o que está estabelecido pelo homem que criou poder, contra o bem estar das Famílias. (Júpiter em Oposição  a Plutão), ou revermos a nossa forma de agir nos libertando de tudo o ainda posa estar bloqueando a falta de amor e união, a fim de criarmos uma nova humanidade.



Para quem segue e estuda Astrologia dá para observar os graus que vão do 9 ao 18 dos signos Cardinais, Carneiro, Caranguejo, Balança, e Capricórnio e os aspectos que fazem com os outros Planetas, e mesmo que não faça qualquer aspecto, vejam os Planetas que regem os respectivos signos e as casas onde estes graus vão parar com a respectiva reflexão nas iniciativas a tomar a fim de criarem uma vida mais feliz que sem dúvida passa por não seguirem caminhos feitos por alguns homens de uma sociedade criada á imagem e semelhança de negócios que comprometiam a evolução natural da maioria dos homens, que desaprendeu a viver em paz e no amor, criando vidas hipotecadas aos "Senhores dos capitais que financiam e apostam em mão de obra a baixo custo que em nada dignifica a simples condição de toda a vida aqui na terra.
Todo o Planeta vai sentir a tensão desta Grande Cruz Cardinal, sentirão menos aqueles que se dedicaram a construir o seu próprio caminho dentro da luz e do amor, e não aceitam o caminho já feito das estruturas totalmente ruinosas para a felicidade do homem aqui na terra, esses são os que já estão a viver e a integrar nas suas vidas o circulo, e estas tensões apenas confirmam a motivação para fazer mais e melhor.


terça-feira, 25 de março de 2014

As duas Quadraturas em T, do mapa de Portugal

Possível mapa de Portugalp
                             POSSIVEL MAPA DE PORTUGAL

Sabe-se que a data da fundação de Portugal foi a 8 de Março de 1143. No entanto, na carta levantada, nota-se que a data indicada é a 15 de Março de 1143. Esta diferença deve-se à conversão da data de 8 de Março, do calendário Juliano, para o nosso actual calendário, que dá 15 de Março.


As duas quadraturas em T do Mapa do possível Mapa de Portugal, envolve Marte em leão,Neptuno em escorpião por quadratura em Movimento Retrogrado, Marte fecha este quadrado em T por oposição a Júpiter em Aquário.

Como no mapa a hora indicada é ás 00.00 horas, restam duvidas se Marte na orbe faz aspecto aplicativo ou separativo, sendo assim e nesse grande evento histórico para a vida de um país como Portugal, dá para fazer uma ideia dos ciclos de evolução que são necessários a fim de todo um país sair e se afirmar pelo mundo fora reafirmando a sua identidade, Nó Lunar em Leão  e as dificuldades que tem encontrado no caminho, devido ao aparecimento e aproveitamento de ELITES, devidamente organizadas, que formatam o espírito e alma de um povo  à submissão e aceitação das supostas verdades sociais, pelo Poder material. Júpiter em Aquário em quadratura com Neptuno retrogrado, dá inicio a outra grande quadratura em T, por oposição a Plutão em Touro que está associado à casa 2, dos valores materiais.

Devido à força e natureza da segunda quadratura a envolver Plutão e mesmo não considerando a Lua Envolvida nesta quadratura por desconhecimento da hora exacta, deveria andar por Sagitário o que indica um povo com grande carência de fé, sempre à procura de novas ideias que o orientem no caminho percorrido, a segunda quadratura envolve Plutão em Touro, oposto a Úrano e em Escorpião e em quadrado com a Cauda do dragão e a Lua Negra,  em Aquário.

Para completar este cenário, o Sol de Portugal a 17 graus do signo de Peixes em conjunção com Marte faz um grande trigno com Marte em Leão e com Úrano em Escorpião, e pode-se fazer uma pequena ideia de como o ponto de Partida e o aparecimento de pessoas que controlam, dominam e dividem opiniões e culturas materialistas. Plutão em Touro em oposição a Úrano em escorpião e o signo Regente de Úrano em aquário em quadratura com Neptuno Retrogrado.

Imagino com este Mapa, falsos Mestres esotéricos a dizerem que as pessoas nasceram num mundo dividido e caminham da divisão para a União a fim de estudarem e aprenderem o caminho do Amor que une acabando com a divisão, portando querendo impor e controlar a fuga à sociedade "materialista" por meio do escapismo  pela via de Peixes e Neptuno com a criação de sociedades esotéricas e de suposta ajuda humanitária num Universo que se movimenta nas águas turvas de Neptuno Retrogrado  no signo de Escorpião. que se encontra no grau 12 de Escorpião e se considerar a simbologia do 12, surge a ideia  da casa correspondente a Neptuno e a Peixes e ao mundo do Poder e da submissão regido pelo signo de Escorpião que indica uma grande transformação num País a fim de conquistar a sua identidade.

Considerando os principais Aspectos Astrológicos em trânsito pelo Mapa em questão, o Planeta Saturno encontra-se em aspecto aplicativo já a fazer conjunção com Úrano e a fazer quadratura à cauda do dragão ou nó lunar sul em Aquário onde o seu Planeta regente Aquário está em aspecto de quadratura com Neptuno, esta responsabilidade mobiliza um despertar de ideias, de conceitos equivocados pela fé, a fim de activar o nó Lunar Norte  a 16 Graus de Leão. Por exemplo, que tiver os graus entre o grau 9 e 16, e dependendo dos Planetas envolvidos, terão uma grande intervenção e consciência a fim de integrar estas energias, quer seja na economia, na Politica, nas artes Etc

Os Asteróides Juno e Ceres, encontram-se em signos mentais, Juno em Virgem pela análise e critica, Juno indica os compromissos sociais, a revisão e dissolução dos casamentos, uma total renovação dos conceitos tradicionais do que poderão vir a ser os casamentos e também a criação de novas famílias, não é por acaso que a recepção mutua de plutão em Capricórnio e Saturno em Escorpião com a ajuda de Júpiter em Câncer levem a solução de muitos assuntos relacionados.

Ceres, associado à terra, ao trabalho e saúde, num signo Gémeos de comunicação, é normal que se oiça falar pela comunicação social que existem várias pessoas que devido à crise, muitas pessoas estão a trabalhar a terra em Lisboa, Ceres vem completar este compromisso das pessoas com a terra, reaprendendo (Gémeos) a cultiva-la.

O nó lunar sul, ou cauda do Dragão no signo de Aquário está ainda em quadratura com Plutão em Touro o que intensifica estas grandes tensões como que vindas da memória de um Povo que já não acredita nos ilusionistas do Poder, qualquer que seja a forma que assumem.

Com estes Aspectos de Júpiter em aquário e Úrano, regentes de tudo quando signifique rede, que inclui a Astrologia acredito que um dia, quando estes principais aspectos de grande tensão passarem a Astrologia seja devolvida à sua dimensão mais profunda e ganhe força e credibilidade social.

E a celebre frase de Fernando Pessoa, que no tempo em que viveu deu o seu melhor como poeta e astrólogo de "Falta Cumprir Portugal", ele viu nos astros qual a missão e o destino de Portugal de levar ao mundo a mensagem da coragem de um Povo que conseguiu encontrar a sua identidade, conquistando o seu Poder, que não vem evidentemente de dominar o Mundo mas sim de uma consciência neptuniana bem resolvida.

Dei especial importância aos Planetas Sociais e Transpessoais por desconhecimento da hora certa, mesmo assim dá para ter uma ideia do que se tem passado e se está a passar em Portugal.




quinta-feira, 20 de março de 2014

21 de Março de 2014, Ano Novo Astrológico, uma Realidade Alternativa

Para quem estuda Astrologia, o Novo ano começa no exacto momento em que o signo de carneiro se encontra a zero graus.  Este importante evento astrológico dá-se ás 11.53 do dia 21 de Março de 2014.

Num ano onde o grande Juiz Universal Júpiter, ingressa nos signos de Caranguejo e Leão. Dizem os Astrólogos, que 2014 é regido pelo Planeta Júpiter, ainda que eu considere, que como Júpiter, astrológica mente representa a justiça divina, todos os anos onde quer que esteja o Planeta Júpiter nos signos e casas Astrológicas condições de muita importância  na análise do mapa astrológico, o que na minha opinião anula qualquer dispersão ou divisão que resulte da análise total de qualquer Mapa astrológico em análise, então temos Júpiter a 10 graus de Caranguejo, a começar este Novo Ano, que acaba com Júpiter a 21 graus de Leão.

Do grau 10 ao 21, assim circula Júpiter, na Balança da Justiça Universal desde o inicio do Ano Astrológico até ao fim do Ano oficial na nossa sociedade ocidental, e  isto simboliza  os ciclos que se fecham e completam numa matemática Universal, cada vez mais apertada nas suas contas, nos compromissos sociais (Juno na casa 10), construídos por tudo o que não é esperado, ( Úrano em carneiro na casa 10), e ao quadrado com Júpiter conjunto ao Ascendente e atravessa a linha de terra no Descendente, por oposição a Plutão em Capricórnio que fecha o ciclo a fazer quadratura com Juno e Úrano, num despertar mágico, para as revoltas e revoluções que se intensificam, pelo desespero do povo e das famílias que precisam viver, (Saturno conjunto à Lua em trigno com o Sol em Carneiro.)

Espera-se assim uma intensificação das grandes revoltas populares, com os necessários períodos de calma e descontracção, por altura do verão, onde os aspectos de mercúrio conjunto Neptuno e à roda da fortuna, em trigno com Júpiter fazem os Portugueses, fugirem de toda a maneira que podem a fim de não pensarem nos grandes problemas que vão ter que enfrentar, devido a este trigno de água, portanto associado a Júpiter  que é reforçado por o propio Júpiter estar envolvido.

Para todos os que já entenderam estas grandes crises de valores e já estão criando e co criando a tal desejada sociedade alternativa e já estão despertos e sabem com que formas estas grandes verdades sociais, estas grandes tensões vão completar e confirmar o caminho que é feito de saber aproveitar tudo o que é tradicional, criando desta forma uma atitude de apoio e ajuda humanitária coerente com as grandes verdades Universais, fazendo-se Luz nas Consciências que se unem à volta da fogueira sagrada da Paz, que não envolve grandes honorários em consultas,ou grandes investimentos como alguns lhe querem chamar  nem  resulta de equívocos ou escapismos que resulta quando Neptuno em peixes não está sendo bem resolvido, mas sim com os pés. Órgão do corpo que rege o signo de peixes  bem assentes na terra.

É uma realidade alternativa que muitos já estão a criar com base sustentável nos créditos Karmicos que fazem tão bem à alma e dão um grande contributo para a grande religião Universal unindo os saberes tradicionais aos saberes alternativos a fim de integrar esse Grande Despertador Cósmico(Úrano em Carneiro) na cura das consciências.



segunda-feira, 17 de março de 2014

os conflitos nos relacionamentos à luz da Astrologia

Do ponto de vista da Astronomia a primavera do hemisfério sul inicia-se no equinócio de Setembro e termina no solsticio de Dezembro, no caso do hemisfério norte inicia-se no equinóciode Março e termina no solsticio de Junho.

No equinócio de Março dá inicio a melhor altura do ano par se tomar consciencia de toda a liberdade de ser e estar na vida, a fim de a tornarmos mais leves a forma dos relacionamentos, e rever aqueles que ainda prendem um homem e mulher ao nivel das prisões emocionais.

Como é possivel ver no mapa tirado para o dia 17 de Março de 2014, tivemos a lua cheia de peixes no dia 16 de Março de 2014,  onde Mercurio conjunto a Neptuno, faz um trigno a Marte, vesta, Ceres (RX) e Nó Lunar Norte (RX). De peixes a Balança, este trigo, que está relacionado com Jupiter e a expansão ou a ampliação de todos os relacionamentos e da forma de cooperação estão sendo passados a pente fino, que é como quem diz, pelo filtro da necessidade de união, esta integração que aponta numa direção, Nó Lunar norte a zero graus de Escorpião vem dissolver ou ajudar a dissolver, todos os relacionamentos que já não fazem parte deste grande plano da cultura de sobrevivência, pelo menos é esta a proposta que se for aceite em consciência, torna mais fácil integrar a verdadeira vida que em nada signifique sobrevivência.

Quanto mais investigo, estudo e observo o movimento dos Astros no céu mais fico impressionado com todas as pessoas que cruzam o meu caminho, quer seja nas minhas consultas, quer na prática todos os conflitos ou tensões que acontecem  todos os dias e pelo presente Mapa Astrológico compreende-se  as tensões de muitos nativos que tenham muito forte nos seus Mapas. Carneiro, Caranguejo, Capricórnio e Balança, como se as qustões fortes fossem as da Família (Caranguejo) dos Relacionamentos, (Balança) e das iniciativas sociais, (Carneiro, Capricórnio).

Realmente com Plutão em Capricórnio ao quadrado com Úrano em Carneiro,, Úrano em Carneiro ao quadrado com Júpiter,, Júpiter ao quadrado com a Lua, que está oposto a Úrano e em quadrado com Plutão.

Vénus, faz uma inconjunção a Júpiter, um sextil a Úrano e um Trigno à Lua
Neptuno conjunto a Mercúrio em peixes faz um trigno a Jupiter em Caranguejo e um trigno a Marte, Ceres, Vesta e Nó lunar Norte.

Como se o Universo apontasse o caminho e a preparação do inicio do Ano Novo Astrológico com inicio no dia 21 de Março do ano de 2014,  que indica por si a fase final de Saturno em Escorpião que termina no dia 23 de Dezembro

segunda-feira, 3 de março de 2014

História da Astrologia, pequeno Resumo


Desde as épocas mais remotas, o homem sempre perscrutou os céus em busca dos mistérios da existência humana, pois a sentia estreitamente ligada ao cosmo. Os Babilónios já tinham cartas do Céu com as órbitas dos dois luminares, o Sol e a Lua. 



Já os sacerdotes Caldeus, tinham um método astrológico rudimental, e faziam adivinhações estudando as doze constelações, apesar de não utilizarem o horóscopo individual, o condenando abertamente, especialmente se feito com fins lucrativos. As estrelas indicavam os acontecimentos da colectividade.


No entanto, o seu legado chegou até os Egípcios, Gregos, Persas e até a Índia. E todos estes povos estudaram a seu modo o céu, dando-lhes as características de suas próprias civilizações. Foram necessários quase três mil anos para que a astrologia passasse do plano impessoal àquele individual, e é neste momento que a astronomia e a astrologia, embora irmã, se separaram. No entanto, a astrologia se baseia na astronomia para fazer as suas deduções e a astronomia continua a utilizar conceitos e símbolos herdados da astrologia.

A tradição egípcia nos ensina que "o que está em cima é como o que está em baixo e o que está em baixo é como o que está em cima" (O Caibalion). Na Grécia, Pitágoras afirmava uma reciprocidade entre o Todo e o cosmo, e de conseqüência entre o Todo e o Homem. Os pitagóricos desenvolveram um pensamento que afirmava a existência de uma relação íntima entre a matemática e a música (a música das esferas). Este pensamento, se adaptado à astrologia, serviria para conciliar o princípio dos opostos de Eráclitus, com uma lei de movimento cíclico e com uma relação entre macrocosmo e microcosmo.

É sobre esta base que se formou a ideia da afinidade absoluta entre a vida no cosmo e o homem, (expressão da verdadeira harmonia universal), que é em si uma expressão da ideia do ritmo universal, esta música das esferas que de alguma forma ecoa no espaço ilimitado da vida individual.

Durante alguns séculos a astrologia foi se enriquecendo do pensamento de vários filósofos, como Pitágoras e Eraclitus, e também com aquelas de Platão e Aristóteles. No século II a.. C. Iparco contribuiu para a astrologia, constatando a precessão dos equinócios, a obliquidade da elíptica, a excentricidade da órbita solar, o para-eixo horizontal da lua, etc. Foi ele que, com as suas descobertas astronómicas e segundo o pensamento de Platão, segundo o qual cada fenómeno na terra estava em relação aos acontecimentos celestes e o físico do homem constituía uma reprodução dos modelos celestes, elaborou uma tabela com a ordem de correspondência entre os sectores zodiacais e as partes do corpo humano. Podemos dizer que aqui se encontram as ideias básicas da antroposofia e da cosmopatologia.

Os seus contemporâneos aprofundaram estas considerações, elaborando assim pela primeira vez as análises individuais de temas astrais para os indivíduos. Aqueles primeiros conceitos dos Caldeus se encontravam então enriquecidos e ampliados: os Judeus os aproveitaram na Kabalah e cada vez mais os Árabes os aprofundaram, dando origem a uma grande escola de astrologia.

Não poucos perigos se escondiam nas leis astrológicas que pareciam ir ao encontro de um total determinismo dos fenómenos, fazendo da astrologia uma 'lei matemática', com pouco espaço para o livre arbítrio individual. Além disso, já naquele tempo a astrologia começou a atrair pessoas pouco escrupulosas, e seja no mundo árabe que na Roma cristã, apareceram muitos aproveitadores que enganavam os ingénuos sem nenhum pudor.

Mas é também naquele tempo que surgiram estudiosos sérios, desejosos de ampliar o conhecimento astrológico para deixar um legado para a posteridade. Entre eles devemos destacar Claudius Ptolomeu. O Tetrabiblos por ele escrito, pode ser de fato considerado como o primeiro tratado científico de astrologia publicado no Ocidente. Ptolomeu reuniu nele de forma ordenada e sistemática todas as teorias e conceitos e também as experiências astrológicas da Babilónia, Egipto e Grécia. Foi ele que elaborou pela primeira vez a noção dos 'Regentes' dos signos astrológicos. Ele também reconheceu a importância do horóscopo individual, dando o pontapé inicial à astrologia da forma como nós a conhecemos.

A obra de Ptolomeu traz consigo as características daquela unidade entre o espírito e a natureza que foi o fundamento da filosofia grega e que somente após a morte de Alexandre Magno (323 a C.) começou a se desintegrar. O sincretismo filosófico e religioso, especialmente aquele da escola alexandrina, preparou o terreno para uma antiga filosofia que teve uma grande importância para o espírito humano: o neo-platonismo.

Entre os expoentes desta filosofia, destacaremos Platino (205-270 d.C) e Porfírio (233-304 d.C.), seu discípulo.  Plotino  ao se aprofundar no sincretismo filosófico-religioso, sentiu a harmonia do universo e reconheceu a correspondência entre "o que está em cima e o que está em baixo", uma lei universal entre o céu e a terra, indispensável para toda a compreensão da existência humana. Ao resgatar a astrologia, estes filósofos simplesmente mantiveram a hereditariedade do pensamento grego, impedindo a decadência da astrologia e integrando-a com o pensamento cristão reinante no mundo naquela época.

No entanto a astrologia sofreu varias ameaças ao longo dos séculos, sempre ressurgindo fortalecida, quando a humanidade passa por momentos de grande revoluções sociais. Devemos reconhecer o valor desta grande ciência quando verificamos que ao longo dos milénios, ela ressurge sempre evoluindo com o pensamento da humanidade, como que a demonstrar o valor indestrutível desta experiência milenar que faz parte da própria consciência e da existência de um corpo espiritual atemporal.

No ocidente, nos primeiros séculos de nossa era, (de 700 a 1100 DC) o interesse da astrologia era concentrado primeiramente nas suas relações com a doutrina cristã. No Oriente, no entanto, a astrologia continuou sua evolução para ampliar suas bases teóricas e sobretudo práticas. Em  Constantinopla existia uma cadeira de Astrologia na Universidade. No mesmo período, o mundo islâmico contribuiu de forma notável para o desenvolvimento das ciências astrológicas. A partir da idade média, a astrologia precisou se adequar à evolução do pensamento e portanto acabou ressentindo as consequências do processo de transformação derivado do pensamento cristão que naquele período se espalhava no mundo ocidental. Neste período o aspecto entre astrologia e religião são interligados.

A partir de 1400 DC, as relações entre astrologia e religião começaram a enfraquecer, perdendo a sua importância e sendo substituídas pouco a pouco com teorias ligadas ao desenvolvimento das ciências naturais. Apesar de parecer que o Renascimento seja a época do florescimento da luz em relação ao obscurantismo da idade média, ele iniciou de fato a queda rápida da autêntica espiritualidade cristã. O Humanismo, de fato, acabou abrindo um abismo entre a ciência e a fé, apesar de proclamar a reconciliação entre a natureza e o espírito. Neste período aconteceu o descobrimento da América por Cristóvão Colombo e a substituição do sistema universal geocêntrico de Ptolomeu pelo sistema heliocêntrico de Copérnico (1472-1543), que revolucionou as antigas concepções geográficas e astronómicas.

 Portanto era de se esperar que essas grandes mudanças influenciassem também a astrologia. No entanto, ainda não havia acontecido uma verdadeira ruptura entre a astronomia e a astrologia, que eram ensinadas, juntas, em várias Universidades da Europa.  Neste período, os grandes estudiosos desta época tentaram dar à astrologia uma conotação científica, por causa dos critérios racionais que agora prevaleciam. Na realidade, esta mesma conotação científica acabou favorecendo aos opositores da astrologia, já que ela não conseguia explicar nos termos da ciência positiva as visões tradicionais dos conceitos cosmológicos. As imagens simbólicas tinham valor somente se expressas por espíritos eleitos como São Tomás de Aquino ou Dante, ou mesmo pelos Mestres de Charles e outros místicos da época, mas perdiam o sentido se comparados com a linguagem científicas e realista da época.

 È neste período que surge na Itália, o génio incomparável de Leonardo da Vinci (1452-1519). Leonardo não ignorava o conceito dos antigos filósofos de que o 'Homem é um universo em miniatura" mas, para chegar a uma visão unitária da Criação Divina que pudesse ser satisfatória seja para o estudioso que para o artista, ele precisou buscar o equilíbrio perfeito entre ciência e arte. A harmonia universal reflectida num céu estrelado não havia passado despercebida ao seu olhar de pesquisador. Estudando o tratado astronómico de Ptolomeu ele conseguiu ter uma ideia precisa daquela frase hermética "o que está em cima é como o que está em baixo", ou "o microcosmo é como o microcosmo".

 Na criação da "Ultima Ceia" (fresco que se encontra na Igreja de Santa Maria dele Grazie em Milão, Itália), Leonardo tinha a intenção de reproduzir, segundo suas palavras, "a cosmografia do microcosmo em doze figuras", assim como Ptolomeu havia dividido o céu em doze partes, demonstrando doze variações da natureza humana que representavam cada uma as suas particulares características permitindo distinguir com precisão a sua diversidade.
Conforme o conceito dos "Quatro Elementos", Terra, Fogo, Água e Ar, Leonardo dividiu os Apóstolos em quatro grupos, de três figuras cada uma, colocando-os nos dois lados da mesa, onde Jesus, no centro, reina absoluto, já que ele cor responde ao Sol de nosso sistema solar.
 Ao apóstolo Simão, por exemplo, é atribuído o signo de Carneiro, estando ele sentado na 'cabeceira' da mesa do lado direito do fresco. Tadeu representa o signo de Touro, e Mateus o signo de Gémeos, e assim seguem todos até o final. Vemos com particularidade que o signo de Balança é atribuído a João, sentado do lado direito de Jesus (a esquerda no fresco) e a Judas (que está derramando o saleiro) é atribuído o signo de Escorpião. Por fim vemos que Bartolomeu, ao qual é atribuído o signo de Peixes, é o último e o único a ter seus pés descobertos. Desta forma Leonardo, representou a união entre o divino e o humano, que constitui a essência própria do cristianismo.
 Esta obra inspirada em conceitos cosmológicos não é comparável com nenhuma outra, apesar de encontrarmos em todos os lugares, palácios ou igrejas, estas analogias e representações dos signos astrológicos, das constelações, das estrelas etc., que sempre inspiraram os artistas da época.

 A partir deste período, a arte do século seis e sete pareceram ignorar ou quase estas representações, à medida que a humanidade era amplamente influenciada pelas ciências naturais que relegavam pouco a pouco a astrologia à simples esfera das artes divinatórias.


Fonte Wikipédia

Na minha opinião, o passado, presente e o futuro da Astrologia, misturam-se e dependem de todos os Astrólogos, em não permitir que esta linguagem sagrada se transforme numa simples esfera de artes divinatórias ou numa grande fonte de desunião, onde as ferramentas de actuação social são as mesmas que orientam os esquemas sociais, porque como todos os que estudam e aprofundam a Astrologia, sabem que o sucesso e os créditos sociais têm correspondência com a nova cultura da terra, porque em  tudo o que é velho e já não faz falta é feita a limpeza necessária.